Teste para passaporte de imunidade ao coronavirus está sendo testado na França Cientistas querem ter validade para passaporte de reinfecção por vírus chinês

0

O Instituto Pasteur começou a testar na França o primeiro exame sorológico capaz de detectar se os anticorpos produzidos por uma pessoa curada de Covid-19 proporcionam imunidade contra a doença.

“Nós desenvolvemos um exame de ‘soro-neutralização’ que não só detecta os anticorpos (presentes no plasma sanguíneo), mas sobretudo mede a sua capacidade de inibir a entrada do vírus numa célula”, disse o fundador e diretor científico do laboratório TheraVectys, Pierre Charneau, em entrevista ao jornal Francês Libération.

Os exames já existentes só detectam a presença de anticorpos, não a sua eficácia — tanto é que a OMS, tardiamente, declarou na semana passada que não evidência de que o fato de ter tido a doença tornava alguém imune.

O exame em testes determina três graus de anticorpos: forte neutralizante, fraco e não-neutralizante. O risco que está sendo verificado pelos pesquisadores é o de ele dar falso positivo, o que exporia alguém não infectado a ambientes potencialmente perigosos.

Se o exame francês comprovar que pessoas curadas de Covid-19 desenvolvem proteção contra a doença, será possível criar o “passaporte de imunidade”, a fim de permitir aos que têm os anticorpos retornar ao trabalho — e, consequentemente, o relaxamento das políticas de quarentena e confinamento.

Uma vez que o teste seja aprovado pelas autoridades sanitárias, bastará fazer um exame de sangue e o resultado sairá em dois dias.

Comentários