Selfie e morte. O perigo de hábito corriqueiro leva casal em praia no Rio de Janeiro Mais de 250 pessoas já morreram enquanto tiravam auto retratos

0

O casal  Jaqueline Amorim de Souza, de 38 anos, e Marcelo Francisco Maciel, de 37 anos,  morreu afogado na Praia do Secreto, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio, no último domingo (6) porquê, segundo parentes, foram na parte perigosa das pedras para tirar uma selfie quando uma forte onda os arrastou para o mar.

Esse pode ser  mais um caso trágico envolvendo as fotografias tiradas pelas próprias  pessoas que ficam desatentas aos perigos, para encontrar o melhor ângulo para um clique.

O corpo do casal foi resgatado nesta segunda-feira, 7.

Um estudo divulgado pela BBC diz que pelo menos 259 pessoas morreram por causa de selfies em lugares perigosos entre 2011 e 2017.

O estudo compilou notícias sobre mortes de pessoas enquanto tentavam tirar fotos de si mesmas em situações arriscadas.

São casos como o do jovem Gavin Zimmerman, de 19 anos, que, em julho deste ano, caiu de um penhasco na Austrália enquanto fazia uma foto.

Afogamento, acidentes de transporte e quedas foram as causas mais comuns para mortes em selfies. Também foram frequentes eletrocuções e mortes causadas por incêndio, animais e armas de fogo.

Os pesquisadores ainda afirmam que o número pode ser maior, porque fazer uma selfie quase nunca é registrado como a causa da morte.

“Acredita-se que mortes por selfies são subnotificadas. A verdadeira magnitude do problema é subestimada”, diz o estudo.

É o caso de Sandra Manuela da Costa Macedo que estava perigosamente se equilibrando na beirada da sacada de um prédio no Canadá em outubro de 2018,  quando chamou a atenção de um grupo de trabalhadores de um prédio vizinho que tentaram alertá-la do perigo.    Os fortes ventos devem ter abafado os gritos do pessoal e provavelmente foram os responsáveis por derrubar a mulher.

No Brasil, não existem estudos registrados sobre o número de acidentes ou mortes relacionadas ao hábito. Na foto acima,  casal de namorados aparece sentado no topo da cachoeira, que tem cerca de oito metros de altura na Costa da Lagoa em Florianópolis em 2014. A jovem teria escorregado e, ao tentar salvar a namorada, Matheus Mandelli também caiu. Bruna Vergínia, de 23 anos, era modelo e estudante de zootecnia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

 

Comentários