Sara Winter processada em R$ 1,3 milhão por divulgar dados de criança estuprada

0
Sara Winter costumava lutar com peitos de fora

A ativista pró-Bolsonaro, Sara Giromini, a ativista bolsonarista foi denunciada nesta terça-feira (19) pelo Ministério Público do Espírito Santo e pela Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de São Mateus, que ajuizaram uma ação civil pública contra ela,

Segundo o MP-ES, a bolsonarista “teve acesso, de forma ilegal, a detalhes do caso de uma criança vítima de violência sexual que corre em segredo de Justiça” –trata-se do caso da menina de 10 anos que foi estuprada pelo tio, engravidou e foi submetida a um aborto, permitido por lei, num hospital de Recife.

Sara usou as redes sociais para divulgar as informações obtidas ilegalmente, num vídeo que segundo o MP, “obteve aproximadamente 66 mil visualizações” antes de ser tirado do ar.

Em virtude dessa divulgação “em frontal ofensa à legislação protetiva da criança e do adolescente”, o MP-ES pede a condenação da bolsonarista e o pagamento de indenização de R$ 1,32 milhão, a título de dano moral coletivo.

A família ou responsáveis legais pela criança, ainda não entraram com nenhuma ação contra o crime cometido por Sara Winter contra a integridade física e moral da menina.

Uma turba de Bolsonaristas tumultuou a entrada do hospital em Recife, PE, depois da divulgação por Sara, do local onde a criança faria um procedimento para retirar o feto, fruto do estupro que sofreu e tentaram pedir o socorro à vítima, autorizado judicialmente.

Mesmo com os protestos, o procedimento foi executado e a criança passa bem, informaram os médicos na segunda-feira.

Comentários