Rafael Parente afirma que soube da demissão pela imprensa

0

Integrante do primeiro escalão do governo de Ibaneis Rocha(MDB) por quase oito meses, Parente disse que soube da demissão pela imprensa, e não pelo chefe do Executivo.

O estopim para a demissão do secretário foi a polêmica envolvendo o compartilhamento da gestão de escolas públicas da capital com a Polícia Militar. No sábado (17), o GDF realizou votações para análise da proposta em cinco unidades de educação.

Duas rejeitaram o modelo mas, na segunda (19), Ibaneis afirmou que implementaria o projeto nas cinco escolas, inclusive nas que votaram contra a medida. Segundo Rafael Parente, esse não era o compromisso firmado entre a comunidade escolar e a Secretaria de Educação. O secretário afirma que o acordo feito com a Secretaria de Segurança Pública, o Ministério Público do DF e a rede local previa que, para a implementação do projeto, seria necessária a aprovação da comunidade durante votação.
Segundo Parente, no entanto, Ibaneis manteve a decisão de aplicar a medida nas escolas que rejeitaram o projeto. O secretário afirma que o governador “se antecipou” e anunciou a exoneração dele, antes mesmo de comunicá-lo.
“Não havia mais clima para a minha permanência como secretário”, afirma.

Rafael Parente também afirma que Ibaneis havia prometido autonomia à sua atuação e que a equipe técnica do GDF constatou que a consulta pública era a melhor forma de implementar a gestão compartilhada com a PM.

Ao todo, oito escolas públicas do Distrito Federal trabalham com gestão compartilhada com a Polícia Militar, do início do ano letivo, em fevereiro, até o momento.

Fonte: G1

Comentários