Pau Mandado: Gilmar esculacha o Brasil e arquiva processo de Aécio Neves investigado pela Lava Jato Decisão contraria pedido da PGR

0

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) arquivou no final do ultimo dia, antes de o STF ir desfrutar férias de 30 dias, no meio do ano,  um inquérito que investiga o envolvimento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) em crimes cometidos contra a subsidiaria da eletrobras de Furnas, afrontando a Procuradoria Geral da República (PGR) que pediu o envio do caso para a primeira instância. Esta não é a primeira vez que Gilmar Mendes afronta o povo brasileiro para defender Aécio Neves.

Um relatório da Polícia Federal (PF) apontou, por exemplo, que o senador Aécio Neves ligou 46 vezes para o ministro Gilmar Mendes por meio do aplicativo WhatsApp entre os dias 16 de março e 13 de maio do ano passado para se livrar de depoimentos a justiça e Gilmar ajudou o senador. Desse total, 22 chamadas foram completadas. Gilmar é o relator de quatro inquéritos que investigam Aécio no Supremo.

O delegado federal Josélio Azevedo de Sousa, que subscreve o relatório, destaca que uma das conversas foi no dia 25 de abril de 2017, data em que o ministro deferiu monocraticamente decisão favorável ao tucano para que ele não precisasse prestar depoimento à PF em um dos inquéritos da operação Lava Jato.

O relatório da PF foi incluído em uma das ações que tramitam no STF. O documento, datado de 15 de agosto de 2017, não está sob sigilo na Corte. No período em que foram feitas as ligações, as investigações sobre Aécio já estavam sob a responsabilidade de Gilmar.

As ligações não foram interceptadas pela PF, mas identificadas a partir da análise de celulares apreendidos com Aécio na operação Patmos, fase da Lava Jato deflagrada em maio de 2017.

No dia em que Gilmar acatou o pedido da defesa de Aécio, o senador ligou para Gilmar  às 13h01.

No dia seguinte, 26 de abril, quando a decisão do ministro do Supremo foi tornada pública, Aécio voltou a ligar para Gilmar. Ao todo, foram cinco ligações pelo WhatsApp, em quatro delas o senador conseguiu falar com o ministro.

Comentários