Nem tudo é o que parece no Setembro Amarelo A fotografia dá um “click” além do disparo da câmera e acende a luz dourada na vida de pessoas que estão em preto e branco

0

Além do imaginário – A fotografia é o fio condutor artístico que libera o sentimento e que revela camadas mais profundas do fotógrafo, do fotografado e de quem lê a fotografia.

Como esse pensamento, estudantes de Publicidade trazem por imagem a interpretação de como a fotografia pode revelar o estado da alma e o sofrimento escondido dos nossos olhos.Em uma analogia com cores, o preto e branco se mostram como a vida cotidiana, rodeada de pessoas, problemas, trabalho, e, algumas vezes, depressão, pânico, ansiedade que ninguém enxerga. E o amarelo, são os sinais que devem ser vistos, especialmente, neste mês tão importante de conscientização.

Por muito tempo houve uma cegueira aos sintomas que muitos creditavam, inclusive, aos que sofrem. Procure entender a pessoa que está ao seu lado e busque os “sinais amarelos”. Faça com que ela saiba que não está sozinha, e que um meio, não é um fim.

Por isso, a fotografia dá um “click” além do disparo da câmera e acende a luz dourada na vida de pessoas que estão em preto e branco!

E se você precisa de ajuda, busque o CVV, no número (188).

Você não está sozinho!

Trabalho de Fotografia Publicitária dos alunos de Publicidade e Propaganda do Uniceub Campus II.

Daniel Martins de Oliveira Neto
Lucas Ferreira Novaes
Luiza Gomes Figueiredo
Wagner da Silva Drumond

Comentários
Artigo anteriorBolsonaro viaja para Nova Yorque
Próximo artigoLíder do governo atrapalha reforma da Previdência
Alan Marques
Mestre em Comunicação pela UnB/ FAC com MBA em Marketing pela FGV. Formado em Jornalismo pelo UniCeub e em Administração pela UDF. Trabalhou por 20 anos na Folha de São Paulo com passagem pelos jornais O Globo (1992-94) e Jornal de Brasília (1994-97). É professor universitário nas graduações de Jornalismo e de Publicidade no UniCeub e coordenador do curso de Comunicação da Anhanguera. Foi professor de Introdução de Fotografia na UnB e membro do corpo editorial da Revista Campus Repórter/ UnB 14, 15 e 16. É autor de cinco livros sobre jornalismo de imagem e participou do livro OlhaeVê www.gruponau.com.br