Mandetta diz que vermífugo é testado por Marcos Pontes Ministro da Saúde deu coletiva em tom de despedida do ministério

0

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta disse na coletiva de hoje que foi procurado pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes com a sugestão de usar um vermífugo para combater o novo coronavírus.

“Outras drogas também matam in vitro. Até hoje, acho, que o ministro Pontes ia colocar (o tema), porque ele foi lá no ministério para que a gente fizesse em testes. Tem um anti-helmíntico, dizendo que essa linha aqui, que é um vermífugo. Mata muito bem in vitro. E agora vai começar os testes em pessoas. Vermífugo mata vírus, cloroquina mata vírus.”

O vermífugo testado por Marcos Pontes é o Nitazoxanida, largamente vendido como genérico do que tem registro comercial como Annita.Sbre a Cloroquina, na coletiva o ministro afirmou que é normal que as pessoas se apeguem ao medicamento como uma possibilidade de cura da Covid-19.

“É normal que as pessoas queiram se agarrar em uma possibilidade de cura, uma solução. É muito difícil para o ser humano chegar e falar que tem o vírus e ainda não temos resposta.” Ele alertou para os riscos do uso, quando perguntado sobre a interrupção da utilização em Manaus, no Amazonas. “In vitro, ela (a cloroquina) mata bem o vírus. Outras drogas também, in vitro (…). Essa droga, a cloroquina, pode fazer o coração bater errado e causar uma arritmia. Quando se dá cloroquina para pessoa de 60, 70, 80 anos, essas pessoas são as que mais podem ter arritmias e morrer da cloroquina.”

Mandetta confirmou que não aceitou o pedido de demissão de Wanderson Oliveira, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, “Vamos sair todos juntos” afirmou o ministro. Ele falou que sabe que o presidente quer outra forma de combate ao coronavirus sem ser o isolamento social. “Eu tenho esse caminho para oferecer. Fora desse caminho, tem que achar alternativa. E tem muitas alternativas. Muita gente muito boa, gente experiente” ponderou.

O ainda secretário de Vigilância em Saúde do governo federal, Wanderson Kleber de Oliveira, foi perguntado, ao final da entrevista coletiva nesta quarta-feira, por que havia pedido demissão do cargo.

“Estamos muito cansados. Eu não pedi demissão diretamente ao ministro. Eu falei para a minha equipe. A mensagem que está com a minha equipe é: vamos nos preparar para sairmos juntos com o ministro Mandetta”, explicou Wanderson.

Comentários