Justiça bloqueia R$ 128 milhões de Aécio Neves Deputado recebeu propina da JBS

0

O deputado federal do PSDB de Minas Gerais, Aécio Neves, teve suas contas bloqueadas por decisão do juiz João Batista Gonçalves, da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, que determinou o bloqueio imediato de R$ 128 milhões parlamentar.

O juiz atendeu um pedido do Ministério Público Federal no âmbito do inquérito policial que apurapagamento de vantagens indevidas a Aécio Neves pelo empresário Joesley Batista e pelo Grupo J&F em troca de vantagens  em futuro governo presidencial, além de influência no governo de Minas Gerais para a restituição de créditos de ICMS em favor do Grupo J&F. A medida ainda atinge outras 13 pessoas e empresas.

Segundo a decisão, no primeiro trimestre de 2015, em encontro na casa de Joesley Batista, um dos sócios da J&F, em São Paulo, o então senador Aécio Neves teria solicitado o pagamento de R$ 18 milhões para a quitação de despesas eleitorais pendentes da campanha presidencial do PSDB realizada no ano de 2014. O investigado teria recebido a quantia de R$ 17.354.824,75 por meio da aquisição de prédio do “Jornal Hoje Em Dia”, situado em Belo Horizonte.

Depois, entre 2015 e 2017, ainda segundo a decisão, Aécio teria pedido a Joesley pagamentos mensais de R$ 50 mil, por meio da Rádio Arco Íris, sediada em Belo Horizonte, para o custeio de despesas pessoais. “Em decorrência da solicitação, o investigado teria recebido, ao menos, R$ 918 mil, em dezessete pagamentos de R$ 54 mil realizados entre os meses de julho de 2015 e junho de 2017.

Segundo a investigação, Aécio usou os recursos ilícitos para comprar apoio de outros partidos, como o PTB, que integrou a coligação do tucano a eleição de 2014. Na época, a ex-deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) era presidente do partido e, por isso, a Justiça também bloqueou R$ 20 milhões dela. O vice-presidente do PTB, Benito Gama Santos, também teve R$ 20 milhões bloqueados.

Com informações da agência Globo.

Comentários