Inovação Tecnológica e a Quarta Revolução Industrial

0

Imagine uma fábrica totalmente operada por robôs, com tecnologia para gerar relatórios operacionais em tempo real, alimentando os sistemas de gestão, orientando e tomando decisões pelos gestores.

Pode até parecer um cenário de ficção científica, mas nesse exato momento, em algum lugar do planeta, inovações tecnológicas como internet das coisas, computação em nuvem e sistemas ciberfísicos já existem e operam, trazendo mais mobilidade para a gestão das empresas.

Fazem parte da chamada quarta revolução industrial, em que acontece a convergência entre tecnologias digitais, físicas e biológicas.

Revoluções industriais ou tecnológicas

Na medida em que o homem busca maneiras mais eficazes de fazer as coisas, ele transforma a sua realidade e a do tempo em que vive.

Foi o que aconteceu desde o advento da primeira revolução industrial, quando o mundo do trabalho foi transformado pelas máquinas a vapor.

Do século 18 aos dias de hoje, muita coisa se transformou completamente. A diferença é que, atualmente, as mudanças acontecem muito mais rápido.

A primeira revolução industrial aconteceu entre a segunda metade do século 18 e os primeiros anos do século seguinte, com a invenção das máquinas a vapor.

Elas permitiram que os processos manuais de produção fossem mecanizados, ampliando consideravelmente a produtividade. As distâncias foram reduzidas, com a aplicação da nova tecnologia aos meios de transporte da época (trem e navios).

A eletricidade promoveu uma segunda revolução, já em meados do século 19. A energia elétrica permitiu a manufatura em massa, com máquinas mais rápidas, autônomas e menos dependente de recursos humanos. A maior parte fábricas passou a usar energia, os custos de produção caíram e aumentou a competitividade da indústria.

Chegando ao século 20, com a evolução tecnológica nos campos da eletrônica, da tecnologia da informação e das telecomunicações, chegou-se a uma terceira revolução.

O surgimento da internet e de todas as suas possíveis aplicações, como o desenvolvimento de Smartphones e máquinas capazes de se comunicar, criou a infraestrutura e o ambiente cultural propício para a quarta revolução.

O futuro no presente

Na quarta revolução industrial, que vivemos agora, em pleno século 21, acontece uma interação entre o mundo real e o tecnológico, por meio de inovações como internet das coisas, computação em nuvem e sistemas ciberfísicos.

Robôs, máquinas e seres humanos trabalham lado a lado, com a contribuição da inteligência artificial, capaz de processar informações em velocidade muito superior à do cérebro humano. Algumas tecnologias emergentes que caracterizam esse cenário são:

  • Internet das Coisas: de eletrodomésticos a sofisticadas máquinas da indústria, será possível incorporar inteligência artificial aos equipamentos, fazendo com que eles gerem informações e funcionem de maneira cada vez mais autônoma. Um exemplo são as geladeiras programadas para adequar a temperatura interna ou as experiências com carros que dispensam o motorista.
  • Computação na nuvem: existem hoje inúmeras maneiras de pessoas e empresas armazenarem seus dados sem depender de uma grande estrutura física. O armazenamento em nuvem permite acesso às informações em qualquer lugar, de qualquer dispositivo. Isso traz mobilidade para a gestão, com o uso de assistentes virtuais, por exemplo.
  • Sistemas ciberfísicos: são os robôs que podem realizar tanto atividades operacionais quanto intelectuais. Nas fábricas, são capazes de realizar vários processos produtivos, como já acontece na indústria automobilística. Na análise de dados, pesquisam e processam milhares de informações em tempo real (big data).

Impacto na atividade humana

quarta revolução industrial já causa impacto na maneira como as empresas produzem e fazem a gestão de seus negócios. Com máquinas mais inteligentes, os processos passam por uma transformação e os sistemas de gestão precisam se adequar a essa nova maneira de trabalhar. A inovação tecnológica envolve também uma mudança de mentalidade quanto aos atuais métodos de administração de empresas.

Um exemplo dessas mudanças está presente nos atuais sistemas de gestão empresarial (ERP). Eles chegam ao mercado cada vez mais inteligentes, permitindo a análise de informações em tempo real, com alto nível de assertividade e flexibilidade para atender aos mais diferentes negócios.

Podem ser acessados a partir de diferentes dispositivos tecnológicos, conectados à internet em qualquer lugar. É o conceito de mobilidade, que permite ao empreendedor acessar seu ERP a qualquer hora, em qualquer lugar.

Na Sankhya, o sistema B.I.A. (Business Intelligent Analyst) oferece inúmeras possibilidades para que o gestor tenha acesso ao seu ERP, a partir de comandos de voz para tablets ou smartphones.

O sistema oferece um retrato da organização, de acordo com as informações programadas. Com o tempo, a assistente é capaz de aprender sobre as preferências dos usuários e programar-se para determinadas tarefas rotineiras.

quarta revolução industrial vem acompanhada por uma nova forma de produzir, consumir e se relacionar. Os impactos, tanto positivos quanto negativos, ainda estão sendo estudados.

O fato é que, nos próximos anos, o processo de transformação digital será uma realidade em qualquer tipo de organização. Quem estiver preparado, terá mais chances de se reinventar e aproveitar essa onda positiva de desenvolvimento tecnológico.

 

Por Cristine Candeloro, Analista de Teste na Sankhya Gestão de Negócios.

Comentários