Harmonização perfeita Quando a bebida entra em sintonia com o menu

0
Toledo, na Espanha. Um dos lugares mais visitado por turistas e tem fincas que produzem vinhos de alta qualidade.

Comer e beber bem é o que todo apreciador da boa mesa deseja quando vai a um restaurante. Harmonizar perfeitamente a bebida com o prato não é tarefa fácil. Muitos pensam que, ao pagar muito caro por um vinho, estão justificando com clareza sua intensão ou que, ao solicitar a opinião do sempre simpático sommelier dos restaurantes badalados de Brasília, terão o acerto garantido.

Mero engano. Às vezes o “simpático sommelier” não está trabalhando para o restaurante e, sim, para a importadora que o agrada mais. E o cliente, às vezes, bebe “suquinho” ao invés de um bom vinho.

O empresário espanhol Moisés González apresenta o vinho Care.

Recentemente, conheci o madrilenho Moisés González, da Corporate Meditel, importadora de vinhos espanhóis, através do amigo Santhiago Tamer e fomos almoçar no restaurante japonês Kawa, do chef Marcos Akaki.

Como sempre, o moderno e bem arquitetado restaurante abriu as portas para esse encontro surpreendente.

Iniciamos o oásis gastronômico com a Cava Carles Andreu, perfeitamente produzida com a uva trepat, tonalidades de cereja e coloração rosa pálido. No nariz, a percepção é cheia de aromas de frutas silvestres e amora. Na boca, uma soma de sensações: intensidade e elegância. Uma cava de alta qualidade e harmonizou com o primeiro prato do simpático chef um carpaccio de salmão, com trufas e limão siciliano.

Os espanhóis respeitam muito a bebida e a comida, por isso, a gastronomia do país é uma das mais desejadas. “Nós procuramos elaborar nossas bebidas com cuidado ao terroir. Quero que o apreciador da bebida esteja em plena satisfação com nosso produto”, explica Moisés.

 

Em seguida, apresentaram o vinho branco Corpus Del Muni, que começa a “falar” na mesa através do design e aparência. A rolha de cortiça na coloração magenta abre a expectativa do grupo entusiasmado com a primeira etapa. A combinação de três uvas – verdejo, sauvignon blanc e riesling – já impressiona e a coloração palha deixa a taça mais elegante. Foi um êxtase para todos na mesa. Havia muito tempo que não bebia um branco com aquela imponência. Os sabores e emoções que o vinho apresentou aos comensais deixou sua marca.

 

O prazer da bebida com a leveza gastronômica das mãos de Marcos Akaki e equipe fez um momento de grande elegância à mesa. O chef agrada a cada momento com, por exemplo, as vieiras. Ah, as vieiras do Akaki são para comer agradecendo aos samurais…

Para finalizar esse êxtase, González abre o tinto Care, a união do Garnacha e Syrah fez o fechamento perfeito da tarde. A sofisticação do vinho deixou o sócio do Kawa, Afrânio Cabral, muito feliz. “Eu conheço muito de vinho por apreciar a bebida, mas esse tinto me passa a sensação de felicidade”, comenta ao degustar. Na boca, se apresenta pleno, sedoso e de robustez apetitosa. Potente em sua entrada e passagem pela boca, traz novamente o mesmo frutado percebido na fase olfativa. Um luxo!

Encerrando, o chef surpreende o empresário espanhol com mais uma degustação com peixes nobres.

A minha paixão por vinhos espanhóis se fortaleceu e me tranquilizo em saber que os bons restaurantes de Brasília têm em seu cardápio vinhos do velho mundo trazidos pela Dondines importadora.

Comentários