Graça de Foster custou R$ 6 bilhões em desvio de dinheiro público Ex-presidente da Petrobrás no governo Dilma beneficiou banqueiro André Esteves da o Pactual

0

A Operação Lava Jato, visitou na manhã desta sexta-feira (23) endereços da ex-presidente da Petrobrás, Graça Fortes e do banqueiro André Esteves do Pactual BTG.

De acordo com a PF, são 12 mandados de busca e apreensão em São Paulo e no Rio de Janeiro.

A investigação apura fatos relacionados no acordo de colaboração premiada de Antonio Palocci. Esta é a primeira fase da Lava Jato deflagrada com base na delação do ex-ministro da Fazenda.

E-mails de Marcelo Odebrecht, apresentados por Palocci em delação,  dizem que a ex-presidente da Petrobras Graça Foster sabia do esquema de corrupção na estatal, mas não tentou impedir os crimes.

A juíza Gabriela Hardt disse que Palocci denunciou que um dos objetivos da nomeação de Graça Foster na presidência da Petrobras, era direcionar o dinheiro para interesses do Partido dos Trabalhadores e não mais para os do ex-presidente Lula.

Dilma disse em Nota que Palocci mentiu.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), a investigação também apura possíveis crimes envolvendo a venda de ativos na África, pela Petrobras, ao BTG. A Graça feita por Foster pode ter causado prejuízo de R$ 6 bilhões, à Petrobrás.

Metade de ativos avaliados entre US$ 5,6 bilhões e US$ 8,4 bilhões foram vendidos por US$ 1,5 bilhão, além de restrição na concorrência para favorecer o BTG com informações sigilosas.

Segundo Palocci, André Esteves, no fim da campanha eleitoral de 2010, acertou com o próprio Palocci repasse de R$ 15 milhões em propinas no projeto de sondas para exploração do pré-sal.

 

 

Comentários