Glenn Greenwald cometeu 126 crimes, diz procurador Ministério Público denunciou companheiro do deputado federal David Miranda por ter se associado aos hackers

0

Glenn Greenwald, companheiro do deputado federal David Miranda e outros seis acusados foram denunciados pela Procuradoria da República no DF por participação em organização criminosa.

Glenn foi indiciado mesmo sem ter sido investigado por conta de proibição de investigação expedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes.

Glenn caiu nas investigações a partir dos indícios reunidos ao longo da apuração da operação Spoofing que investiga invasão de hackers em celulares de diversas autoridades, incluindo da Lava Jato.

Segundo o procurador Wellington Divino Marques de Oliveira “não se discute, em qualquer tom, que a liberdade de imprensa é pilar de um Estado Democrático de Direito” mas que a situação de Glenn neste caso destoa do direito investigativo.

“Diferente é a situação em que o ‘jornalista’ recebe material ilícito enquanto a situação delituosa ocorre e, tendo ciência de que a conduta criminosa ainda persiste, mantém contato com os agentes infratores e ainda garante que os criminosos serão por ele protegidos, indicando ações para dificultar as investigações e reduzir a possibilidade de responsabilização penal”, disse o procurador.

Em outras palavras Gleen praticou crime incentivando e colaborando com os Hackers a praticarem, possibilitarem e concorrem para a consumação de 126 condutas criminosas, que é o número de vítimas das invasões no Telegram.

Segundo a denúncia, Greenwald “auxiliou, incentivou e orientou, de maneira direta, o grupo criminoso”.

Amigo do ex-presidente, condenado na Lava Jato, Luís Inácio Lula da Silva, o jornalista norte-americano divulgou dados hackeados e alterados atribuídos aos procuradores da Lava Jato e o ministro da Justiça Sérgio Moro.

Glenn Greenwald, editor-chefe do site The Intercept, que mantem um relacionamento conjugal com David Miranda, substituto do ex-deputado Jean Wyllys, que renunciou ao cargo.

Greenwald é um ferrenho crítico do presidente da República, Jair Bolsonaro, e na época da campanha eleitoral usou o Twitter para afirmar que seria preciso uma “estratégia eficaz para bater Bolsonaro”. O norte-americano lamentou na época, a falta de estratégia dos jornalistas brasileiros, deixando claro seu rancor contra Bolsonaro.

O presidente Bolsonaro disse quando perguntado sobre a denuncia na tarde desta terça-feira (21), que quem fez a denuncia foi a justiça.

“O que, o Greenwald, que foi? Não devia nem estar…Onde que está esse cara? Está no Brasil, ele?” Perguntou ironizando.

Comentários