Gilmar Mendes solta criminosos internacionais para nos roubar, mas polícia prende de novo Miguel Iskin e Gustavo Estellita Polícia prendeu vinte pessoas e bloqueou R$ 1,2 bilhão roubados da saúde

0
Gilmar solta, polícia prende de novo
Gilmar solta, polícia prende de novo

A Operação Ressonância prendeu nesta quarta-feira (4) vinte pessoas e bloqueou R$ 1,2 bilhão roubados da saúde dos cariocas. As fraudes aconteciam na Secretaria Estadual de Saúde do Rio Janeiro.

A Lava Jato afirma que duas pessoas ainda são consideradas foragidas. Entre os presos estão o ex-diretores da Philips e Miguel Iskin, Gustavo Estelita que foram presos no ano passado, na operação “Fatura exposta” em 2017, mas foram soltos pelo ministro Gilmar Mendes do STF junto com Sérgio Côrtes e continuavam a praticar crimes.

Segundo a Lava Jato o roubo aos cofres públicos continuou, mesmo depois da prisão de parte da quadrilha no ano passado. Para os investigadores, o ex-governador Sérgio Cabral e o então secretário, Sérgio Cortes, comandaram o roubo de pelo menos R$ 300 milhões em contratos fraudulentos e com participação de corruptores que forneciam próteses para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). 

Daurio Speranzini, ex-CEO da Philips e atual CEO da GE, e Frederik Knudsen, supervisor de vendas da Philips, fazem parte do esquema chamado de “clube do pregão internacional”, segundo os investigadores. Eles pagavam até 40% do valor dos produtos em propina. A 7ª Vara Federal Criminal decretou o bloqueio de R$ 1,2 bilhão dos investigados.

Foram presas preventivamente 12 pessoas, 8 temporariamente no RJ e em SP, além dos dois que continuam foragidos. Sérgio Côrtes, ex-secretário de Saúde foi intimado a depor, mas não foi encontrado.

 O Ministério Público Federal diz que o cartel de multinacionais de equipamentos médicos ajustava as licitações em troca de propinas por intermédio offshores no exterior. Pelo menos 37 empresas formariam o cartel especializado em corrupção, fraude em licitações, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Comentários