Expectativa com G-20 domina mercados

0

A Cúpula do G20 reúne-se, nesta 6ª feira e sábado (30.nov e 1º.dez.2018), em Buenos Aires. Participam líderes das maiores economias do mundo para discutir temas diversos, entre eles, a guerra comercial entre Estados Unidos e China.

… Trump e Xi Jinping já estão em Buenos Aires para a cúpula do G-20, mas o encontro dos dois será no sábado à noite. É grande a expetativa para um acordo que possa reduzir as tensões comerciais entre EUA e China. A guerra das tarifas aumenta os receios com a desaceleração global e mantém os mercados na defensiva, inclusive aqui. O presidente americano joga duro, até o último minuto. Apostar em um resultado parece ser arriscado.

… Nesta 5ªF, Trump voltou a ameaçar com a retórica protecionista e, já pela manhã, foi ao Twitter dizer que os EUA estão enchendo os cofres com as tarifas cobradas e que, se Pequim não quer pagar, “que fabrique aqui”.

… Mais tarde, antes de decolar à Argentina, disse estar “aberto” a um acordo com a China, “mas não sei se quero fazer”, porque “honestamente gosto do que temos agora (…) bilhões e bilhões de dólares com tarifas”.

… Pode ser teatro, porque fontes da DJgarantem que EUA e China estão buscando um entendimento.

… Os dois países estariam explorando a chance de Washington suspender novas tarifas até o final da primavera (no Hemisfério Norte), em troca de diálogos em torno de grandes mudanças na política econômica de Pequim.

… A reunião de dois dias do G-20 começa sob um forte esquema de segurança e coincide com o momento de apreensão com o ritmo de crescimento global, embora Powell e a ata do FED aliviem a pressão (abaixo).

… Temer e Guardia já estão na Argentina. Presidente dá entrevista às 18h. O novo governo não mandou ninguém.

A RECESSÃO RONDA – As turbulências com a China, combinadas ao ciclo de normalização monetária do FED, deflagram o sentimento de que os EUA estejam próximos de entrar em um período recessivo.

… Ontem, dados fracos endossaram a percepção de risco, com o núcleo da inflação do PCE (+1,8%) abaixo da meta do FED (2%). As vendas pendentes de imóveis caíram 2,6% em outubro. Previsão era +0,3%.

… Após os dados, o JPMorgan projetou que o risco de recessão nos EUA no intervalo de um ano subiu de 32,3% para 33,3%. De seu lado, a S&P elevou sua previsão para a faixa de 15-20%, contra 10-15% anteriormente.

… Hoje, entre os indicadores nos EUA, o ISM de Chicago (12h45) deve recuar para 58 em novembro, de 58,4 em outubro. Na zona do euro, saem (8h) o CPI de novembro e a taxa de desemprego de outubro.

… Ao meio-dia, o FED boy John Williams (vota) participa de painel sobre a desaceleração da economia global.

CHINA – Ontem à noite, o PMI industrial oficial recuou a 50 em novembro, de 50,1 em outubro. Já o dado de serviços teve desaceleração mais pronunciada, a 53,4, de 53,9, em novas evidências da perda de fôlego.

ATA CONFIRMA POWELL – Divulgada no final da tarde, a ata da última reunião de política monetária (FOMC) mostrou os FED boys inclinados a considerarem que o juro nos EUA já está em níveis próximos de neutro.

… O documento reiterou a posição dovish de Powell na véspera, reforçando as novas expectativas de que o ciclo de aperto pode durar menos. O juro ainda subirá em dezembro, mas não mais três ou quatro vezes em 2019.

… A ata melhorou o ânimo em Wall Street, embora a reação tenha sido inibida pela cautela antes do G-20, neste final de semana, que poderá ser decisivo para o impasse das tensões comerciais com o China.

… “Powell preparou o trenó para um rali de Natal, mas continuamos céticos de que a reunião entre Trump e Xi Jinping coloque a relação dos dois países de volta aos trilhos”, disse o Nomura em relatório a clientes.

… Assim, depois de ensaiarem alta, as bolsas em NY fecharam negativas, com o Dow Jones aos 24.338,84 pontos, em baixa de 0,11%, o S&P 500 a 2.737,80 pontos (-0,22%) e o Nasdaq a 7.273,08 pontos (-0,25%).

… Nos Treasuries, os yields recuaram mais, com a Note de dois anos ajustando-se a um menor aperto dos juros, a 2,798%, de 2,806%. Mas a Note de dez anos continua acima dos 3%, a 3,027%, de 3,055% na véspera.

NA BOVESPA – A torcida pelo rali de Natal levou a bolsa à máxima histórica no fechamento, a 89.709,56 pontos, embora com alta moderada de 0,51% e volume dentro da média medíocre, de R$ 13,2 bilhões.

… Mesmo sem o estrangeiro, que continua saindo, o investidor quer ver os 90 mil batendo na tela. Na máxima, quase chegou lá, aos 89.909,58 pontos, mas, sem a ajuda de Petrobras e de Vale, ficou difícil.

… Vale ON (-0,57%, R$ 52,00) não se arriscou antes do encontro de Trump com o presidente da China.

… E Petrobras PN (-0,83%, R$ 25,17) voltou a pesar com a novela da cessão onerosa, que já é motivo de piadas. A votação foi adiada para a próxima semana, e muita gente já duvida que possa acontecer este ano.

… Eunício está colocando a culpa em Guardia, “que quer guardar o dinheiro para a regra de ouro”, mas o fato é que mesmo Guedes está convencido de que o repasse aos Estados compromete o teto de gastos.

… Nem a alta do petróleo animou o papel, embora o Brent continue abaixo de US$ 60, a US$ 59,91 (+1,38%).

… Ajudou o petróleo, ontem, a notícia de que a Rússia negocia com os sauditas um corte efetivo da produção na reunião da Opep na próxima semana, nos dias 6 e 7. Também o WTI subiu (+2,31%, US$ 51,45).

… Destaque do pregão, CCR ON (+11,17%) reagiu ao acordo de leniência com o Ministério Público de SP, que saiu barato: R$ 81,530 milhões, sendo R$ 64,530 milhões para o governo do Estado e R$ 17 milhões para a USP.

ELETROBRAS – Deve reagir hoje positivamente à decisão de Ricardo Lewandowski (STF) de revogar ontem à noite a liminar que impedia a realização do leilão de privatização da Companhia Energética de Alagoas (CEAL).

… Em nota, a estatal afirmou que não há mais óbice para o BNDES retomar o processo de venda da distribuidora. Nesta 5ªF, antes da decisão, Eletrobras ON subiu 0,16% (R$ 25,77) e Eletrobras PNB, +0,76% (R$ 29,25).

TEM PIB HOJE – A expansão estimada para a economia no 3TRI está entre 0,40% e 1,10%, segundo pesquisa do Broadcast, que apurou como mediana um crescimento de 0,80%, de 0,20% no 2TRI. O dado sairá às 9h.

… Às 10h30, as contas do setor público em outubro podem mostrar um superávit de R$ 2,3 bilhões.

… Nesta 5ªF, o mercado recebeu com surpresa o superávit do Governo Central, de R$ 9,4 bilhões, o melhor para meses de outubro em dois anos, superando a mediana das estimativas entre os analistas (R$ 2,5 bilhões).

… A melhora foi atribuída à arrecadação de royalties de petróleo, e segundo Mansueto Almeida não se repetirá em novembro e dezembro. Mas o déficit do ano pode ficar abaixo da meta. “Esperamos R$ 139 bilhões”.

… Apesar do bom resultado fiscal e da deflação do IGP-M de novembro, os juros futuros operavam com viés de alta durante boa parte do dia, refletindo as preocupações com o encaminhamento das reformas.

… Mais uma vez, Bolsonaro sinalizou que pretende fazer uma proposta mais branda para a Previdência, “porque essa (do Temer) é um pouco agressiva para o trabalhador”. O mercado teme pelo que vem por aí.

… Também pesa a indefinição da cessão onerosa e o risco de que a União não possa contar com os recursos do leilão do pré-sal em 2019, se tudo acabar dando errado. São R$ 100 bilhões que devem entrar no caixa.

… E, finalmente, o investidor não sabe o que esperar do programa de privatização. Enquanto Paulo Guedes monta um banker de Chicago Boys, Bolsonaro descarta a venda das estratégicas: Petrobras, Eletrobras, BB e Caixa.

… Preocupam também as condições de governabilidade. Enquanto Onyx diz que a base de Bolsonaro terá “pelo menos 350 deputados” (a Roberto D’Ávila), Paulo Guedes não conseguiu aprovar nem a autonomia do BC.

… Na BM&F, o DI para jan/2020 fechou em 6,999% (máxima), de 6,942%, e o DI para jan/2021 subiu de 7,913% para 7,95%. A taxa para jan/2023 terminou estável em 9,12% e a taxa para jan/2025 a 9,64%, de 9,672%.

… Seja como for, a expectativa de manutenção da Selic em 6,50% é ancorada pela inflação baixa.

… Na reunião com diretores do BC, ontem, alguns profissionais saíram com a impressão de que o COPOM pode até mesmo retomar os cortes do juro. Hoje, o encontro é com economistas do Rio de Janeiro.

ILAN – Ainda no Rio, o presidente do BC encontra-se hoje com Beny Parnes, sócio-diretor da SPX Capital.

A AJUDA NO CÂMBIO – Em comunicado após o fechamento, o BC anunciou que iniciará na 2ªF as operações de rolagem dos vencimentos de swap para janeiro, que somam US$ 10,4 bilhões.

… A oferta de US$ 691,5 milhões indica que, se mantiver este volume/dia, rolará integralmente os vencimentos.

… Traders de câmbio estão intrigados com a pressão persistente do dólar, que voltou a subir ontem (+0,40%), aos R$ 3,8534, apesar dos três dias de leilões sucessivos de linha, no total de R$ 4,25 bilhões, e da queda lá fora.

… O dólar caiu contra as moedas fortes, como o iene (113,38/US$) e o euro (US$ 1,1394) e permaneceu estável em relação às divisas dos emergentes, com o DXY (-0,01%) a 96,778 pontos. Só ganhou do real.

… Entre os motivos cogitados está a Ptax de hoje, para a liquidação dos futuros de dezembro, e a antecipação de remessas de fim de ano, além de saídas dos investidores estrangeiros da bolsa, que continuou este mês.

O TIME – Guedes confirmou mais dois nomes para seu superministério, que terá seis secretarias. O economista Marcos Cintra comandará um cargo-chave: a secretaria especial que unirá a Receita e a Previdência Social.

… O diplomata Marcos Troyjo será o secretário especial de comércio exterior e assuntos internacionais, setor que vai conduzir o processo de abertura comercial do País. Já anunciado, Salim Mattar conduzirá as privatizações.

… A pasta terá uma Secretaria de Fazenda, para a qual Waldery Rodrigues é um “bom nome”. Também haverá uma Secretaria de Planejamento. Guedes elogiou o atual ministro do Planejamento, Esteves Colnago.

…. A sexta secretaria será a de Competitividade e Produtividade. O economista Carlos da Costa é cotado.

MAIS UM – Bolsonaro poderá confirmar o quinto militar da equipe, general Marco Aurélio Costa Vieira, indicado para o Ministério dos Esportes, agora transformado em Secretaria subordinada ao ministério da Cidadania.

EM TEMPO… Petrobras avalia desinvestir até 15 bilhões nos primeiros anos do novo plano de negócios.

CEF. Futura gestão quer desenterrar projeto de transformar banco público em SA. (Broadcast)

ANEEL. Divulga hoje a bandeira tarifária de dezembro (sem horário definido).

EQUATORIAL informou que Cepisa solicitou junto à Aneel a realização de uma revisão tarifária extraordinária.

QUEIROZ GALVÃO ENERGIA (QEG) obteve liminar suspendendo o processo de desligamento de usinas da CCEE.

PETROGAL planeja aumentar em 50% sua produção no Brasil, dos atuais 100 mil BPD para 150 mil BPD em 2025.

SUZANO. Teleconferência (12h) apresenta as próximas etapas do processo de combinação de ativos com Fibria…

… Companhias iniciam substituição de ações em 4/1. Suzano disparou 6% ontem, entre as maiores altas da bolsa.

PÃO DE AÇÚCAR aprovou o pagamento de juros sobre o capital próprio de R$ 0,2521 por ação ON. Ex dia 5/12.

BRF informou ter retomado a operação nas linhas de frango e ampliado a produção de perus em Chapecó (SC).

SMILES. Grupo de acionistas minoritários criou uma holding para atuar no processo de reestruturação societária.

ALIANSCE levará à assembleia geral, dia 17/12, a proposta de incorporação na companhia de controladas diretas.

Comentários