EUA bombardeiam e matam líder no Irã, país que promete vingança Ataque foi comandado por Trump

0

O general que liderava a carnificina promovida pelo Irã, Qassem Soleimani, de 62 anos,  da Força Al Quds, unidade especial da Guarda Revolucionária, e apontado como o cérebro por trás da estratégia militar e geopolítica do país, foi morto  em um ataque aéreo americano no Aeroporto Internacional de Bagdá na noite de quinta-feira.

Nesta sexta-feira 3, o líder  supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, prometeu vingança.

Qassem Soleimani, de 62 anos,  da Força Al Quds, unidade especial da Guarda Revolucionária morto em ataque dos EUA

O Pentágono informou que o bombardeio tinha a missão de matar o general iraniano e foi uma ordem do presidente Donald Trump.

Em nota divulgada pelo Irã, o aiatolá diz que “O martírio é a recompensa por seu trabalho incansável durante todos estes anos (…) Se Deus quiser, sua obra e seu caminho não vão parar aqui e uma vingança implacável espera os criminosos que encheram as mãos com seu sangue e a de outros mártires”, afirmou o aiatolá Khamenei em sua conta no Twitter em farsi.

Em comunicado divulgado pela TV, Ali Khamenei declarou que “todos os inimigos devem saber que a jihad de resistência continuará com uma motivação dobrada, e uma vitória definitiva aguarda os combatentes na guerra santa”. O Irã geralmente se refere a países e forças regionais opostos a Israel e aos EUA como uma frente de “resistência”.

O ataque por drones ao cboio dentro do aeroporto de Bagdá aconteceu depois de uma semana de ações ofensivas entre o Irã e os Estados Unidos em território do Iraque.

Na sexta-feira, 27 de dezembro, uma base militar de aliados dos EUA no Iraque foi atacada com mais de 30 mísseis. Um americano foi morto e quatro ficaram feridos.

Os EUA apontaram como culpada uma milícia chamada Kataib Hezbollah, apoiada pelo Irã.

No domingo 29 de dezembro
ataques americanos mataram 24 pessoas em bases de milícias no Iraque e na Síria.

Na terça-feira, 31 de dezembro,
milícias invadiram o perímetro da embaixada dos EUA em Bagdá, a capital do Iraque por 24h.

Na noite de quinta-feira (2), os EUA executaram o ataque por drones no aeroporto de Bagdá, no Iraque, que matou Soleimani.

 

Comentários