Dilma, Gim, e o pecado repetido na Justiça Mais um aliado preso e sem ministro da Justiça

0

A presidente Dilma Rousseff parece perdida em um mato sem cachorro. Ela usou, mais uma vez, o Palácio do Planalto para, em mais um discurso político vazio, atacar seus algozes. Na tentativa de salvar-se de seus próprios pecados, durante um encontro com professores e alunos, atacou o vice-presidente Michel Temer e o Congresso Nacional. “Usaram a farsa do vazamento para difundir uma ordem unida de conspiração. Eles conspiram à luz do dia”, bradou a presidente.

Dilma discursava enquanto perdia mais um ministro da Justiça. Eugênio Aragão foi proibido pela juíza Luciana Raquel Tolentino de Moura, da 7a Vara Federal, de continuar ministro por ser membro do ministério público, o mesmo pecado cometido por Dilma quando perdeu o ministro anterior.

Mais um ministro que não pode ser
Mais um ministro que não pode ser

Mais cedo, enquanto Dilma pedalava nas imediações do Palácio do Planalto, o ex-senador Gim Argello estava sendo preso na 28ª operação da Lava Jato, perto dali, no Lago Sul.

Dilma sempre foi muito próxima a Gim Argello e chegou a indicar o preso do dia para ministro do TCU, mas foi derrotada. Servidores concursados do TCU foram os primeiros a gritarem contra a nomeação e Dilma perdeu. No Congresso, parlamentares afirmam que Dilma e seus aliados impediram a convocação de empreiteiros nas CPIs. Gim foi preso por suspeita de receber propina para blindar acusados. Ele foi vice-presidente de uma importante CPI que não deu em nada, a da Petrobrás. Agora, a Lava Jato expõe os pecados do passado.

Na primeira campanha para presidente, Dilma participou da nababesca festa de Pentecostes da igreja do padre Moacir em Brasília. Segundo a polícia federal, Gim que apresentou o pároco a Dilma, usou a paróquia para receber dinheiro roubado.

Festa de Pentecoste em Brasília arrasta multidões
Festa de Pentecoste em Brasília arrasta multidões

O padre é metido com a política e já ajudou a eleger por duas vezes o deputado distrital Washington Mesquita, um braço direito de Gim.

A Operação batizada de Vitória de Pirro encontrou 17 empresas de Gim Argello.

Comentários