COZINHA AFETIVA EM ALTA

0

Quem não fica com água na boca ao lembrar da comida da avó? Pois há um certo tempo a cozinha afetiva é a nova queridinha dos gourmands. Relembrar o passado, emoções e sabores que ficaram na memória.

Jose del Castillo preservando a gastronomia afetiva e ganhando prêmios.

Na cozinha da nova era, todos os conceitos são bem vindos e explorados por chefs premiados como o peruano José Del Castillo, dos restaurantes La Red e Isolina. O primeiro tem mais de 30 anos e funciona no mesmo bairro e o Isolina é uma homenagem à sua mãe que é uma cozinheira de mão cheia, fica no badalado bairro de Barranco, em Lima. Nos dois restaurantes as receitas passam pelo olhar atento da mãe.

A chef carioca com o caderno de receitas da avó escrito em aramaico.

O caderno de receitas saiu da gaveta e entrou para os salões. Chefs da nova geração aproveitam esse momento tão gostoso e fizeram releituras de pratos clássicos familiares. Como a chef carioca Katia Hannequim que busca imprimir na sua culinária ancestral e familiar, muito baseada nas lembranças do tempo em que ficava à beira do fogão com a avó, dona do caderno de receitas administradas ainda em aramaico. “O charuto de folha de uva era muito diferente. Ela misturava a carne seca com a de cordeiro, sempre com muita hortelã. Fora que cultivava a própria parreira”, lembra Katia, que adora reproduzir também um arroz feito na coalhada mole e servido com manteiga clarificada.

Eduardo e as delícias árabes feitas pela mãe Anice. Foto: Alex Ferro

O empresário Eduardo Haddad usa as receitas de sua mãe Anice Bittar no restaurante Árabe Gourmet na 405 sul, em Brasília. As esfihas são as mais pedidas na casa. “Fico emocionada quando vejo uma pessoa comendo o que preparei com tanto carinho”, comenta a matriarca.

Pão húngaro feito no Gamela. Tradição.

O Gamela biscoitos caseiros a família segue a tradição dos quitutes que a avó Fátima Nicoletti fazia. São biscoitos, bolos, doces e todos com a tradição da família preservada. Loja aberta desde 1977 atende os apaixonados por guloseimas da vovó.

Na taberna dos Ferreiras o chef Fernando recebe em sua própria casa na Candangolandia, num espaço construído reproduzindo a ideia de uma taberna mesmo . Um jeito simpático e caloroso, apenas para poucas pessoas e tem que reservar com antecedência , para apreciar a comida que ele e a esposa preparam, acaba sendo mergulhar no passado. Recentemente provei uma costela assada que estava magnífica.
Um lugar aconchegante para passar uma tarde com os amigos comendo e bebendo.

A gastronomia afetiva está em alta e os netos e bisnetos de descendentes de italianos, sírios, espanhóis que estão no Brasil preservam as receitas familiares fazendo história na era em que a culinária e a formação de chefs é o assunto mais valorizado no momento.

Comentários