Como manter a dieta comendo fora de casa Parte do cotidiano de quem trabalha e não consegue almoçar em casa, o restaurante self service pode ser uma armadilha contra a dieta

0

download (2)

Começar uma dieta é difícil, mas manter – dizem – é ainda mais complicado. E se isso já vale para quem consegue fazer todas as refeições em casa, para quem vive almoçando fora a situação é ainda mais complicada – principalmente considerando a praticidade e variedade dos buffets de self service, tão comuns nas regiões comerciais.

Para ajudar a manter o foco no momento de montar o próprio prato, convidamos a nutricionista funcional Flavia Cyfer e a endocrinologista e metabologista Flavia Junqueira – que inauguram dia 05.04 o Espaço Longevitá, no Rio. Confira as dicas da dupla e, para aprimorar o menu diário, dê uma olhada nos cursos de gastronomia funcional do novo endereço.

1. Não chegue com fome ao restaurante
Flavia Junqueira explica que, quando ficamos muito tempo sem comer, acabamos causando alterações no organismo nada interessantes para quem deseja perder peso. “Devido à ausência de nutrientes, o corpo entra em uma espécie de estágio de emergência, promovendo aumento progressivo na produção dos hormônios da fome (Grelina) e do apetite (Neuropeptídeo Y), e a diminuição do hormônio da saciedade (Leptina). Essa alteração na configuração hormonal faz com que o nosso metabolismo de repouso fique mais lento, causando diminuição do gasto energético. Resultado: total falta de controle nas escolhas no restaurante a quilo”, avisa a médica.

Para evitar esse problema, Flavia Cyfer dá a seguinte dica: 30 minutinhos antes do almoço, coma um punhado de amêndoas junto com 1 copo de água, ou beba “gel de chia” (2 colheres de sopa de chia misturadas em 200ml de água). “Isso proporcionará saciedade e te ajudará a manter o bom senso na hora de fazer o prato no restaurante”, afirma.

2. Comece pela salada
Normalmente, o buffet desses restaurantes começa com as opções de saladas. Segundo a nutricionista, é exatamente por aí que se deve começar mesmo. “Coloque muitas folhas e vegetais crus no seu prato. As fibras desses alimentos promovem saciedade. Assim, na hora dos alimentos mais engordativos, você já não estará com tanta fome”, conta a especialista.

3. Nada de molhos cremosos
Flavia Cyfer alerta para os molhos de salada: “Não confie neles, a não ser que você já conheça o restaurante e tenha certeza da sua composição!”.  A especialista conta que esse erro pode ser fatal, transformando a sua santa saladinha em um pecado contra a balança: “Em geral, eles contêm muito açúcar, creme de leite e maionese, por exemplo. Por isso, prefira apostar sempre no básico: regue com azeite e vinagre balsâmico. Não tem erro!”.

4. Apenas um carboidrato…
Flavia Junqueira explica que devemos escolher apenas um tipo de carboidrato, pois o excesso de ingestão desse nutriente fará com que ocorra sobrecarga de níveis de glicose no sangue. Resultado: os famosos picos de insulina . “O excesso de insulina circulando no sangue não é nada interessante para o metabolismo, pois esse hormônio apresenta propriedades lipogênicas, ou seja, forma novas células de gordura. Além disso, ele é um importante sinalizador para a ativação dos mecanismos da fome. Por isso, quando os níveis de insulina se mantêm altos, temos a necessidade de nos alimentar novamente, gerando, assim, um ciclo vicioso”, explica a médica.

5. …e o carboidrato certo
Ainda sobre os carboidratos, a nutricionista afirma que devemos escolher sempre, claro, os integrais. Como o arroz integral e quinoa, por exemplo. Se não houver nenhum grão integral como opção, aposte em algum tubérculo cozido ou assado, como aipim, batata doce, batata baroa e inhame cozido ou assado.

6. Cuidado com os grelhados
Flavia Cyfer alerta para os “grelhados” de restaurantes self service: “Salvo algumas exceções, são gordurosos demais, nada light. Observe só o brilho do bife”. Por isso, para comer com segurança, o ideal é que se tenha uma grelha ou chapa em que se prepare na hora a proteína. “Se houver essa opção, você pode, inclusive, pedir para não colocarem nenhum óleo ou gordura na hora”, indica a especialista.

7. Xô, sobremesas!
“Feche os olhos na parte das sobremesas e direto ao caixa! Se você conseguir resistir nesse momento, será bem mais difícil encarar uma fila novamente, ainda mais depois de ter almoçado um prato tão rico em fibras e nutrientes. Sem contar que você não precisará se preocupar com o peso na consciência”, conta Flavia Cyfer.

Fonte: Vogue - por ANITA PORFIRIO
Comentários