Brasília amadurece entre o místico e o imagético As fotos se tornam meios potentes para determinação da cultura brasiliense

0
O Vale do Amanhecer é um dos locais místicos do Distrito Federal/ Alan Marques

A produção e o consumo de fotografias são um grande sinal de maturidade de Brasília. Nos seus 60 anos de vida completos em 2020, a capital federal apresenta-se mais moderna ao deixar que as imagens fotográficas extraordinariamente revelem seu perfil social.

As fotos se tornam meios potentes para determinação da cultura brasiliense ao configurarem as exigências para com a realidade e se tornarem receptáculos de cobiçadas experiências autênticas. São elas indispensáveis para a saúde da economia, para estabilidade política e para a procura infindável da felicidade privada e coletiva.

Entender Brasília pela fotografia é permitir que o cidadão apresente, por meio de imagens, sua própria realidade e sua relação com a cidade. É ele o ver imagético que rodeia 3 milhões de moradores do DF que trabalham, estudam, pegam ônibus, fazem compras e brincam com seus filhos e seus “pets”.

Para Cartier-Bresson, fotografar é “encontrar a estrutura do mundo, deleitar-se com o prazer puro da forma” para por fim entender que “em todo este caos, há ordem”.

A Fotografia é uma espécie de paladar que nos permite saborear esse ordenamento de olhares em cada região do DF. É uma viagem pela câmera alheia para que, eventualmente, tenhamos a visão de todos.

Fotografar é liberdade.

Comentários
Artigo anteriorLivro de Rodrigo Janot hackeado é ilegal
Próximo artigoSenado aprova Reforma da Previdência em primeiro Turno
Alan Marques
Mestre em Comunicação pela UnB/ FAC com MBA em Marketing pela FGV. Formado em Jornalismo pelo UniCeub e em Administração pela UDF. Trabalhou por 20 anos na Folha de São Paulo com passagem pelos jornais O Globo (1992-94) e Jornal de Brasília (1994-97). É professor universitário nas graduações de Jornalismo e de Publicidade no UniCeub e coordenador do curso de Comunicação da Anhanguera. Foi professor de Introdução de Fotografia na UnB e membro do corpo editorial da Revista Campus Repórter/ UnB 14, 15 e 16. É autor de cinco livros sobre jornalismo de imagem e participou do livro OlhaeVê www.gruponau.com.br