Advogado que processou Moro é executado a tiros. Veja o video Três homens armados cometeram crime dentro de lanchonete

0

O advogado Igor Martinho Kalluf, 40 anos, um dos juristas que assinaram uma ação contra o então ministro da Justiça, Sérgio Moro, foi executado nesta quinta-feira (11).

O crime ocorreu dentro de uma loja de conveniência de um posto próximo ao restaurante de comida árabe de propriedade do advogado, em Curitiba, Paraná.

Pelo menos três homens participaram da execução, gravada pelos circuito de segurança da loja e do posto.

Advogado Igor Martinho Kalluf foi executado a tiiros

A outra vítima fatal foi Henrique Mendes Neto, de 39 anos. Ele não aparece nas imagens do video, possui diversos registros de crimes, como tráfico de drogas e assassinato. Ele estava sentado ao lado do advogado, que estava de boné e camiseta brancos.

Segundo o delegado da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Thiago Nóbrega, que esteve no local, verificou as imagens e colheu documentos, os assassinatos podem ter ligação com cobrança de agiotagem.

Kalluf foi um dos advogados do coletivo Advogados Pela Democracia a assinar um pedido de investigação do então ministro e ex-juiz Sérgio Moro, à então Procuradora Geral da República, Raquel Dodge.

O pedido foi fundamentado em texto publicado no portal The Intercept, sibre supostos diálogos entre Moro e outros membros da força tarefa da Operação Lava Jato.

Uma testemunha revelou que a execução ocorreu durante a passagem de uma procissão em comemoração ao feriado de Corpus Christi.

Num primeiro momento, a testemunha pensou que o barulho dos tiros fossem fogos de artifício, porém, percebeu que eram tiros ao ver dois carros saírem do local em alta velocidade.

O advogado havia marcado para hoje, sexta-feira (12) um jantar especial para os clientes de seu restaurante, em homenagem ao Dia dos Namorados.

Advogados Pela Democracia

Esse nome aparece pela primeira vez nos anos 50, após a ascensão de Nikita Kruschov ao cargo de Primeiro Secretário do Partido Comunista, na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

Se tratava de uma associação ligada ao Kremlin e que atuou na defesa dos interesses comunistas da URSS pelo mundo, principalmente no Ocidente, em especial nos Estados Unidos da América (EUA).

A associação financiou vários movimentos de insurgência civil, sempre proporcionando defesa jurídica aos membros mais radicais.

Grupos como os Black Panthers e principalmente ligados a políticos do Partido Democrata receberam total apoio e retaguarda jurídica, como revelado pelo livro ‘Técnicas da Propaganda Comunista’, de John C. Clews, publicado em português pela Editora e Gráfica O Cruzeiro, em 1966, sendo o Volume I de sua ‘Coleção Problemas Políticos da Atualidade’ – originalmente publicado em inglês, com o título ‘Communist Propaganda Techniques’, pela Methuen & Co. Ltd., de Londres (Inglaterra), em 1964. Clews dedica o livro à memória do ex-presidente democrata dos EUA, John Fitzgerald Kennedy (JFK).

Com informações do Jus Brasil, portal RIC Mais Paraná e da página do YouTube De Olho São José.

Comentários