Um brinde a Macron

0

Le Parisien Bristrot comemora dois anos com festival gastronômico.

Brasília está em tremenda ebulição gastronômica já tem um certo tempo. Um abre e fecha de restaurantes, conceitos gastronômicos e chefs de todos os estilos e escolas agitam as redes sociais com seus experimentos.
Sou mais tradicionalista e me sinto uma estrangeira de Caetano na cidade do “poder”, dos “ruídos” e do concreto que já rachou há muito tempo. E por respeitar tradições, a gastronomia francesa tem minha admiração e respeito.

Preservando o valor da gastronomia dessa jovem cidade que no próximo ano fará 60, existe um personagem que particularmente adoro pela sinceridade, leveza, tradição nos pratos e valor à cozinha francesa que é o Daniel Briand na cidade que não tem bossa, é um charme tomar um café da manhã no Daniel Briand Patisseie & Bistrot, principalmente bebendo champanhe bem acompanhada logo cedo.
Mas a quadra comercial da 103/4 Norte recebeu mais um bistrot francês, o farmacêutico Maxime Colin por amor a uma brasileira que conhecera em seu país, cruzou o oceano e aportou na seca de Brasília para se casar e trouxe na mala o amigo Jérémy Gentilleau que era gerente de uma brasserie em Paris.

Os sócios Jeremy e Maxime comemoram dois anos do Le Parisien Bistrot

Pensando em abrir um negócio original, foi justo na quadra de Briand que os sócios Maxime e Jérémy fortaleceram a tradição da culinária do país, e juntos abriram há dois anos o Le Parisien Bistrot.
Foi tão bem aceita a ideia que o “Conde” Briand apoiou o empreendimento e sempre é visto degustando as delícias do local.
Me surpreendi ao conhecer o bistrot. O lugar é gostoso.
Na comemoração do Le Parisien, tem menu especial e a vinícola chilena Terramatter estará participando da comemoração da data com uma seleção de vinhos especiais.

Um brinde a Macron!
Pode até parecer estranho. Até porque o país do momento e das notícias é a França de Macron e Brigitte para o mundo. Não a de Bolsonaro e Michele para o Brasil.
Diferentemente dos hábitos e tradições, pois tenho certeza que o querido Macron cresceu comendo croissants, ratatouille, Cassoulet, Coq au vin enquanto o representante brasileiro esqueceu de valorizar a nossa feijoada, a leitoa à pururuca e a galinhada para comer pão com leite condensado na cozinha de sua casa no Rio de Janeiro.

Verdadeiramente Macron teve que falar com a cozinha. Caro presidente da França, espere um pouco para você dialogar no devido lugar de um chef de estado e devidamente bem servido da culinária tão diversificada brasileira num lugar que te caiba: a sala de jantar.

Terramatter

Por adorar histórias e degustar as receitas, fiquei encantada com as irmãs Canepa. Em 1996 Gilda, Edda e Antonieta, reinventaram a vinícola.

Seus vinhedos em Isla de Maipo, Curicó e San Clemente comportam as tradicionais variedades Cabernet Sauvignon, Merlot, Chardonnay, Carménère e Sauvignon Blanc, e também abrigam variedades não comuns no Chile como Zinfandel, Syrah, Malbec, Pinot Blanc, Petit Verdot, Sémillon e Sangiovese.

Além dos vinhos e vinhedos, a empresa trabalha com a produção de óleo de oliva e frutas frescas. A visão da vinícola impressiona por seus quase 300 hectares de vinhedos na Isla do Maipo, com vinhas velhas de 30, 40, 50 anos de Cabernet Sauvignon, Sangiovese e Zinfandel principalmente. A vinícola ainda possui vinhedos no Vale do Maule e exporta para Inglaterra, Ásia, Russia, Japão, México e Brasil.
E comemorando o aniversário do Le Parisien Bistrot, para acompanhar o menu degustação em quatro etapas como: Amousse bouche: fricassê de cogumelo Paris, Tábua de queijos com geleias e pães, Terrine de campagne e rillettes de pato e trio de mini sobremesas tradicionais. “A ideia é uma degustação mais leve, sem pratos muito elaborados. “Quero que o meu cliente venha brindar nosso momento como se ele tivesse num bistrot na França. Provando um pouco de tudo que comemos no meu país” comenta Maxime.
E para acompanhar seis rótulos de vinhos vão desde
o branco Passo Del Sol, o Cabernet Sauvinghon Vineyard Reserva, Magis Reseva e Unusual.
A vinícola mandou para Brasília através do convite da Dondines, do Santhiago Tamer, o enólogo Thomás MCDonough.
O menu degustação com vinhos custa 120 Reais e os dias 29 e 30 de agosto a festa dos franceses será na quadra que deveria ter nome: Rue France.
Um brinde a Macron, um beijo para a Brigitte e vida longa ao Le Parisien.

Comentários